Perene

Thursday, December 29, 2005

A Mulher É A Glória

Deus fez de barro o homem à sua imagem e em seguida deu-lhe o sopro da vida. Posteriormente fez de uma costela do homem, a mulher. A partir daí, a história da humanidade escreveu para a mulher um papel secundário, tendo como seu escritor o homem.
Ao iniciarmos a leitura da Bíblia Sagrada, encontramos a genealogia de José, Pai de Jesus, numa contagem regressiva até Adão. Pouco se sabe da família de Maria, mãe de Jesus.
No oriente, um homem pode casar-se com mais de uma mulher e até com quantas possa financeiramente sustentar; anda nas ruas por elas acompanhado, mas sempre em sua retaguarda; obrigatoriamente ela anda com a cabeça e até a face coberta, tendo algumas o costume de cobrir todo o corpo, olhando para frente através de um véu que não deixa transparecer seu rosto; ela é secular, religiosa e culturalmente preparada para conceber este costume como o correto.
No ocidente foi educada para obedecer ao pai e posteriormente ao marido; no leste europeu, o pai da noiva costuma presentear seu genro com um chicote que deverá ser exposto na parede da sala para lembrar que o homem é o mandatário do lar.
A natureza também deu sua contribuição “discriminando” a mulher: menor estatura e força física; vive mensalmente o desconforto da fertilidade e no ato da procriação ela é possuída e fecundada, sendo sempre passiva na ação; no divórcio foi historicamente discriminada, na infidelidade conjugal é a única punida, sendo no passado apedrejada; por muitos séculos ela foi conquistada; nos tempos modernos, após alguns sucessos na luta por seus direitos, trabalha e exerce profissões, inclusive as consideradas masculinas, quer no desempenho físico ou intelectual, mas seus salários são explicitamente menores.
Hoje divide com o homem a responsabilidade do sustento e do comando da família e da pátria, inclusive empunhando armas. Aceita seu lugar na natureza com dignidade, humildade e respeito e na sociedade luta por igualdade na divisão dos frutos e conquistas da humanidade.
É um ser incansável de luta e perseverança e por isso mesmo ela conseguirá. A mulher é a glória!

3 Comments:

  • At 4:53 AM, Blogger brasil said…

    Autor: Maria da Gloria | IP Registrado
    Data: 20/02/2006 14:35

    Só no mundo manifestado há separação de gênero. No gênero feminino se vive a experiência da abnegação, sensibilidade, compreensão e da fortaleza do amor desinteressado. No gênero masculino se vivencia a experiência da força física, da razão, equilíbrio, e o senso de proteção e empreendimento. Isso não significa que essas características não sejam inerentes aos dois gêneros. Mas quando se está vivenciando uma dessas experiências, elas aparecem mais acentuadas ou precisam ser melhor desenvolvidas.
    O feminino e o masculino são duas forças que se unem para a harmonização do mundo. A família não deixa de ser um microcosmo.

    Glória = Professora SP

     
  • At 7:28 PM, Anonymous Anonymous said…

    Se me permitem a sinceridade, penso ter uma visão bem mais “atual” deste tema aqui abordado, e neste sentido < “A Mulher É A Glória” > só se for a Menezes...

    - Será que hoje ainda há tanta gente que ainda acredita na literalidade disso:
    < “Deus fez de barro o homem à sua imagem e em seguida deu-lhe o sopro da vida. Posteriormente fez de uma costela do homem, a mulher.”>?
    - Uma concepção pobre, arcaica e carente de mínima reflexão.

    < “A partir daí, a história da humanidade escreveu para a mulher um papel secundário, tendo como seu escritor o homem.... ” >
    - Um homem invejoso e revoltado por ser OBRIGADO a contar com a boa vontade da mulher caso desejasse descendentes.
    DEUS O TINHA FEITO INCAPAZ. ATÉ DE AMAMENTÁ-LOS!
    Não lhe restou alternativa senão tentar diminuir a importância daquela “rival”.

    Cheio de inveja e rancor, desejoso de eliminar concorrência e motivado por uma competição voraz, ainda assim ele não encontrou na mulher qualquer desejo belicoso ou uma rival à altura de seu despeito.
    Assim, sem nenhum empecilho ele se tornou o dono do mundo, destruindo, desrespeitando e agredindo a todos os outros seres, animais, vegetais...
    E mesmo assim a mulher NADA FEZ para mudar isso.

    < “...No oriente, um homem pode casar-se com mais de uma mulher e até com quantas possa financeiramente sustentar; anda nas ruas por elas acompanhado, mas sempre em sua retaguarda;...
    ...No ocidente foi educada para obedecer ao pai e posteriormente ao marido; ....”>
    - E mesmo assim apenas ALGUMAS mulheres fazem algo para mudar isso.

    < “A natureza também deu sua contribuição “discriminando” a mulher: menor estatura e força física;”>
    - Tolice! A força da mulher é muito superior. É a força do cérebro, da intuição, do domínio do que para nós ainda é invisível, ela pressente e evitar o que nós muitas vezes sofremos.
    A mulher não precisa dominar o homem pelos músculos, o que não a impede com um pouco de treino.

    < “...vive mensalmente o desconforto da fertilidade...”>,
    - Outra tolice! Hoje só menstrua quem quer. E muitas fazem questão.

    < “...sendo sempre passiva na ação; ”>
    - O que é uma grande vantagem quando se tem que abrir mão do sexo por estarmos muito cansados. Ou então ter de empenhar um esforço enorme, ao invés de esperar que o outro faça todo o trabalho para nós dar prazer.

    < “...e no ato da procriação ela é possuída e fecundada,... ”>
    - Aqui esta percepção se torna mais ABSURDA porque É A MULHER QUEM POSSUI O HOMEM.
    É ela quem toma para si e faz “desaparecer”, tendo literalmente o poder de prender, uma coisa que “era” do homem há segundos atrás.

    Esse fato aflige tanto o homem que o fez torcer e inverter a situação para tentar fazer desaparecer o horrível conflito de ser possuído, ou ter algo seu possuído por outrem inexoravelmente.

    E esse algo ganhou muito mais “importância” à medida que o homem percebeu que só ele o possuía e poderia contrapô-lo ao dom da vida das mulheres. Contudo, para elas o pênis (e cia.) nunca foi tão importante quanto para eles, além de constituir um grande ponto fraco (terrivelmente doloroso) a ser protegido diuturnamente.

    Completando o parágrafo, hoje a mulher só é fecundada se ELA quiser. Não obrigatoriamente.

    <“...no divórcio foi historicamente discriminada, na infidelidade conjugal é a única punida, sendo no passado apedrejada; por muitos séculos ela foi conquistada;...”>
    - Hoje elas NÃO SE IMPORTAM mais com isso. Somente as muito tolas. Hoje elas conquistam.

    < “... nos tempos modernos, após alguns sucessos na luta por seus direitos, trabalha e exerce profissões, inclusive as consideradas masculinas, quer no desempenho físico ou intelectual, mas seus salários são explicitamente menores... ”>
    - Isso depende da capacidade de cada uma. Algumas namoradas e amigas minhas ganhavam mais que seus namorados em profissões semelhantes. Além de não existir mais profissões física ou intelectualmente masculinas.

    <”Hoje divide com o homem a responsabilidade do sustento e do comando da família e da pátria, inclusive empunhando armas. ”>
    - Está certíssimo. Todos devem ser responsáveis por si e pelos seus, ao invés de se tornarem um peso para o homem que não está podendo nem consigo mesmo.

    < “Aceita seu lugar na natureza com dignidade, humildade e respeito e na sociedade luta por igualdade na divisão dos frutos e conquistas da humanidade.”
    - Seja lá o que o autor queira dizer com “aceitar seu lugar na natureza com DIGNIDADE, HUMILDADE e RESPEITO”, certamente ele NÃO COMPREENDE SEU PRÓPRIO LUGAR no mundo e MUITO MENOS o de sua companheira.
    Ou, em sua simplória percepção será a mulher abnegada por ACEITAR um tão VIL lugar na humanidade?
    Ou se sentirá ele um grande benemérito ao tratar sua esposa como um ser pensante o não como escrava sexual e uma égua de cargas?

    < “É um ser incansável de luta e perseverança e por isso mesmo ela conseguirá. A mulher é a glória!”>

    Só se for a MENEZES!

    Mauricio R. Medeiros

     
  • At 5:59 AM, Blogger brasil said…

    Maurício,

    Que bom v ter vindo até aqui e deixado seu recado. Pena v não ter deixado um e-mail para melhor aproximação. Quanto a crítica, bem aceita, quero apenas dizer:
    acreditar ou ser cético é um direito de cada um. Vai muito além de reflexão. Eu respeito o pensamento das outras pessoas, desde as ilustradas, as carentes de conhecimento, assim como eu.
    Há muitas outras glórias, além da Menezes. Não sei se v já teve a oportunidade de viver uma.
    Espero v de volta, se quiser dar-me essa honra.
    Costumo escoher amigos dentre os educados, idenpendentemente de seu grau de instrução. Ninguém é tão sábio que não tenha o que aprender com outros. Ninguém é tão ignorante que nada tenha a ensinar.
    Alguém já disse que " a experiência é um automóvel à 80 K/h, numa estrada à noite, sem luz lunar, cheia de curvas e buracos, com os faróis virados para trás". Há quem diga que "quando se conhece essa estrada, caminha-se por ela, nessas condições, com cuidado, sem sofrer danos ou os mais previnidos, seguem viagem de marcha ré.
    Maurício, v é como o xará Nassau:
    Invadiu o espaço e conquistou o respeito e a amizade do nativo.
    pbrasilpe@hotmail.com

     

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home